Alagoas
Ana Borba
Casa do Brasil
Corrida
CPH
CrossFit
Descobrindo Kona
Duathlon
Entrevistas
Florianópolis
Fodaxman
Fortaleza
Gravel Epic
Haute
Haute Route
Hawaii
Igor Amorelli
Ironkids
IRONMAN
IRONMAN 70.3
Kona
KONA 2016
KONA 2017
KONA 2018
KONA 2019
Kona 2020
Kona 2021
Maceió
Mizuno
Mundial
Palestras
Pâmella Oliveira
Parada das Nações
PATH 5k & 10k
Probiotica
Quick Talks
Review
Rio de Janeiro
Santa Catarina
Santiago Ascenço
São Paulo
Sarah True
Specialized
Swim
Tênis
Thiago Vinhal
Triday
Turbo Creo
Turbo Creo SL
Underpants Run
Venda

15 . Oct . 2017

Tendências de ajustes da bicicleta para provas de triathlon de longa distância.

O que vemos atualmente nas provas de ciclismo e triathlon são os profissionais e os principais atletas das faixas etárias (“age groups”) atacando a parte dianteira da bicicleta em um posicionamento extremamente agressivo.
Tendência ou não, todos com a extensão quase completa do joelho na fase descendente do ciclo da pedalada com a regulagem da altura do banco no limite.

Avançam o banco em sua máxima possibilidade de angulação em relação ao “seat tube”, alcançando angulações acima dos 80o graus em relação ao eixo do pedal, o que possibilita que, quando em sua extensão máxima de joelho, a outra perna em sua máxima flexão fixe o dorso do pé atrás da linha máxima posterior do quadril, aumentando em eficiência a produção de potência no último quarto descendente da pedalada direcionando o eixo do ciclo da pedalada não apenas para a frente mas angulando-o também para baixo, diminuindo o arrasto aerodinâmico.

Quando falo de “máxima extensão e flexão” não significa em possibilidade, mas em adequação ao “bike fit” realizado individualmente em cada atleta.

No link anexo você poderá conferir cuidadosamente um vídeo com a tendência desses atletas no Ironman do Hawaii de 2016.
https://www.youtube.com/watch?v=QVZc7RYqIJk

Penso que hoje um ajuste próximo do ideal de uma bicicleta para um atleta deva levar em consideração não apenas os ajustes biomecânicos de diminuição da resistência frontal e lateral imposta sobre o mesmo, mas aquele que consiga equilibrar a transferência da potência produzida nos pedais para eficiência em deslocamento, com o ajuste de transferência de peso que não sobrecarregue a parte posterior da bicicleta tornando-a lenta no deslocamento.

A equação que o atleta e seu treinador deve ter em mente é não apenas a capacidade do mesmo em produzir potência mas de que forma essa potência está sendo transformada em deslocamento.

O segredo está em equilibrar a diminuição da área de contato da parte traseira da bike com o solo no início do ciclo ascendente da pedalada com a pressão máxima na frente da mesma na fase final descendente, gerando deslocamento máximo com a potência utilizada.

A diminuição da flexão do joelho na fase ascendente associada à extensão máxima do pedal na fase descendente proporciona menor utilização de carga sobre a musculatura dos glúteos, preservando-a em grande parte para a corrida.

Outro assunto que ainda gera bastante discussão é o cuidado que deve ser tomado no ajuste da máxima extensão do joelho na fase descendente da pedalada para que não ocorra hiperflexão plantar e conseqüente sobrecarga do tríceps sural (panturrilhas) por contração isométrica, que pode ser devastadora na hora de se trocar a etapa de ciclismo pela corrida.
Portanto, cuidado redobrado com o aumento das flexões plantares no ciclismo.

Dica para quem busca “performance” e tem a possibilidade de treinar adequadamente para uma prova de longa distância:
“ Deve-se privilegiar SIM as regulagens na bike com uma abordagem agressiva “.
Procure treinar absurdamente o fortalecimento e estabilização central (Core).
Estudos apontam que as lombalgias afetam até 80% da população mundial e é preciso preservar as estruturas envolvidas em todo o esforço da pedalada.

Sugiro regulagem com base no conforto apenas para quem não consegue treinar adequadamente os longos braços de cada modalidade durante a fase de preparação.

Estamos há aproximadamente dez meses do próximo Ironman Brasil em Florianópolis, no mês de maio. É sempre importante pensar que todos os ajustes biomecânicos devem ser realizados de forma gradativa e com observação constante da evolução da “performance” de cada atleta.Evite fazer alterações bruscas em seu “bike fit” e tenha o cuidado de promover mudanças nas abordagens de treinamentos e equipamentos com o máximo de tempo possível para adaptações e resultados.

Lembre-se que no treinamento nenhuma variável pode ser avaliada individualmente, portanto, leve sempre em consideração todos os aspectos das mudanças propostas.

Bons treinos e até a próxima!