Alagoas
Casa do Brasil
Corrida
CPH
CrossFit
Descobrindo Kona
Duathlon
Entrevistas
Florianópolis
Fodaxman
Fortaleza
Hawaii
Igor Amorelli
Ironkids
IRONMAN
IRONMAN 70.3
Kona
KONA 2016
KONA 2017
KONA 2018
KONA 2019
Maceió
Mizuno
Mundial
Palestras
Pâmella Oliveira
Parada das Nações
PATH 5k & 10k
Probiotica
Quick Talks
Rio de Janeiro
Santa Catarina
Santiago Ascenço
São Paulo
Sarah True
Swim
Tênis
Thiago Vinhal
Triday
Underpants Run

18 . Dec . 2016

Fodaxman – o percurso da corrida

O Fodaxman foi inspirado no Norseman e provas semelhantes da Europa, e como estas, deveria ter como características a altimetria do percurso, o apoio individual para cada atleta e ser uma prova só de ida, sem loops.

A natação teve que ser em uma volta (pelo menos só uma :-), mas o ciclismo e a corrida serão só de ida. A bike foi fácil, bastou achar o local à distância adequada da T2 e pronto, foi só atravessar uma das estradas mais fantásticas do mundo e subir 4000m que estava pronto o percurso 😀 !

Já a corrida seria em Urubici e a princípio eu não tinha ideia de como fazer um percurso sem voltas ou repetições. Depois de bastante pensar e conversar surgiu a ideia de fazer uma ida até o Corvo Branco, a outra serra fantástica da região, porém ainda não asfaltada. A falta de asfalto e o fato da serra estar no final da maratona tornaram o percurso perfeito, no estilo das provas que serviram de inspiração ao Fodaxman.

O problema é que haviam apenas 27 km da T2 até o topo da serra. Aí a ideia foi perseguir os caminhos alternativos o máximo possível. De cabeça parecia que ia dar certo. Conversei com o Max e o Zé Marcos e então saí de carro da Pousada das Flores, nossa T2, rumo ao invernador em Águas Brancas.

Depois de apenas 2 km de asfalto entramos em estrada rural sinuosa e ondulada por 9 km, quando então saímos no asfalto da SC370 rumo Morro da Igreja. De lá mais 2 km nos levam à comunidade de São José no km 21 da maratona. Seguimos margeando rios e plantações, com trechos às vezes parecendo trilha e saímos de volta ao asfalto no km 26.7, quando então seguimos à esquerda rumo ao Corvo Branco.

Após uma subida de 1 km descemos até o fim do asfalto e seguimos os últimos 12 km pela estrada de terra até o topo da Serra do Corvo Branco, para então descer e pegar a entrada rumo à chegada na pousada Refúgio Rio Canoas.

Este percurso é espetacularmente bonito, como pouco asfalto, muita estrada de terra, verde, rios, morrinhos e visuais de montanha por todos os lados. Uma corrida certamente desafiadora e bela o suficiente para fazer par com o ciclismo de um dos triathlons de longa distância mais espetaculares e duros do mundo!

 

Por Rafael Pina.