Alagoas
Casa do Brasil
Corrida
CPH
CrossFit
Descobrindo Kona
Duathlon
Entrevistas
Florianópolis
Fodaxman
Fortaleza
Hawaii
Igor Amorelli
Ironkids
IRONMAN
IRONMAN 70.3
Kona
KONA 2016
KONA 2017
KONA 2018
KONA 2019
Maceió
Mizuno
Mundial
Palestras
Pâmella Oliveira
Parada das Nações
PATH 5k & 10k
Probiotica
Quick Talks
Rio de Janeiro
Santa Catarina
Santiago Ascenço
São Paulo
Sarah True
Swim
Tênis
Thiago Vinhal
Triday
Underpants Run

06 . Apr . 2017

Dicas para a Maratona de Paris

É difícil ir a Paris e não se apaixonar pela Cidade-Luz. Difícil também é correr a maratona que leva o nome da cidade e não querer voltar. A Maratona de Paris, que realizará sua 41ª edição no próximo domingo, dia 9, é sem exagero uma das provas mais lindas do mundo. A largada da Champs-Elysées, tendo ao fundo o Arco do triunfo, proporciona um início de prova espetacular. Seu percurso faz um verdadeiro tour pela cidade, oferecendo aos participantes os mais belos cenários parisienses.

De todas as maratonas realizadas na Europa, Paris é com certeza a que reúne a maior quantidade de estrangeiros. Cerca de 40% dos inscritos são de fora da França. A prova é também uma das preferidas dos brasileiros quando o assunto é maratona no exterior.

Fotos: Schneider Electric Marathon de Paris – 03/04/2016 – Paris – France – Depart GAUTIER DEMOUVEAUX / ASO

 

O circuito da prova, que larga na Champs-Elysées e chega na Avenue Foch, é quase totalmente plano, favorecendo não apenas aos estreantes nos 42 km mas também aqueles que querem bater a marca pessoal. O trajeto passa por diversos pontos turísticos da cidade, como Praças da Bastilha e das Nações, Bois de Vincennes, margens do rio Sena, Torre Eiffel e Bois de Boulogne.

A prova já larga num ligeiro declive, na longa reta da Champs-Elysées, permitindo um começo rápido. Devido ao grande número de inscritos e ainda pela quantidade de ruas estreitas e curvas ao longo do trajeto, há alguns momentos em que o trajeto afunila bastante, principalmente nos primeiros postos de abastecimento, localizados a cada 5 quilômetros.

Não se desespere para pegar água logo no início do posto. Em geral, ficam bem aglomerados e você pode perder um bom tempo tentando pegar água. Os postos são bem extensos. O ideal é pegar nas mesas do final. A água é em garrafa, daquelas de plástico mais duro. Tenha muito cuidado para não pisar nas garrafas jogadas no chão e virar o pé. Em todos os postos, há também isotônicos. Banana, laranja, maçã, frutas secas e cubos de açúcar são distribuídos nos postos apenas após a metade da prova.

O longo trecho percorrido dentro Bois de Vincennes, entre os km 9 e 19, pode ser um pouco tedioso, apesar de o parque ser muito bonito, com muito verde e uma quantidade enorme de ciclistas acompanhando a prova. Saindo do parque, o que virá pela frente é algo de encher os olhos e é muito difícil não se emocionar, principalmente quando a prova começa a beirar o rio Senna, a partir do km 23, e é possível já avistar a imagem da Torre Eiffel, que vai aumentando à medida que você se aproxima dela.

As poucas subidas no percurso estão localizadas na saída dos dois túneis, após a saída do Bois de Vincennes, quando a prova começa a margear o Senna. Elas não são muito longas e por isso não oferecem problemas. Há ainda algumas subidinhas curtas dentro do Bois de Boulogne, quando a prova atinge sua parte final, nos últimos quilômetros. Há placas de quilometragem a cada quilômetro e também marcação no chão. Fique atento apenas à primeira marcação de quilômetro, que fica no alto, no meio da Champs-Elysées. Além disso, há cronômetros com marcação do tempo total no km 1, a cada 5 km e na marca da meia-maratona.

Se estiver indo para a prova com acompanhante, saiba que a Maratona de Paris é um das mais fáceis de acompanhar as passagens dos corredores. E isso dá para ser feito de metrô. Para isso é só calcular o ponto de passagem do corredor no mapa, com base no km, e ver qual a estação mais próxima do local. Com sorte, é possível cobrir pelo menos uns três pontos de passagem e ainda a chegada.

Antes da prova Para dar aquela corridinha pré-prova, o Bois de Boulogne e o Bois de Vincennes são excelentes opções, caso esteja hospedo perto de um desses parques. Só tome cuidado para não se perder. Eles são muito grandes e uma corridinha de 5 km pode virar uma corrida de 2 horas ou mais se você não se lembrar do caminho de volta.

Uma dica bacana para quem está hospedado perto do Arco do Triunfo é treinar no Parc Monceau, que fica entre as estações de metrô Courcelles e Monceau. Ele é pequeno, mas bem simpático. E, como é início de Primavera na Europa, você terá a oportunidade de ver esse parque (e outras áreas verdes da cidade) já repleto de tulipas, o que é um espetáculo à parte.

Uma loja de artigos de corrida que é parada obrigatória para qualquer corredor que vai a Paris é a Boutique Marathon (www.boutiquemarathon.com), que fica na 26 rue León Jost, bem perto do Parc Monceau. Há vários portugueses que atendem na loja e por isso mesmo você não terá problemas com a língua. Se tiver sorte, poderá encontrar com a proprietária, Raymonde Cornou, uma maratonista de 2h58 em seus tempos áureos e que ficou conhecida por correr trajada de Mulher Maravilha. Você verá várias reportagens sobre ela na parede da loja. Ela adora brasileiros e já correu inclusive a Maratona do Rio de Janeiro na década de 90.

Em Paris há com certeza muito a fazer, antes ou depois da prova. A melhor forma de conhecer a Cidade Luz é de metrô (é fácil e rápido para se locomover para qualquer lugar) ou mesmo a pé. Aliás, anda-se muito em Paris. Por isso, deixe para gastar a sola do sapato depois da prova. Ande sempre com mapa da cidade e do metrô na mão. As estações são bem próximas uma das outra e às vezes vale uma simples caminhada.

Um dos programas mais simples em Paris, e também um dos mais adorados por turistas, é poder caminhar na famosa Champs-Élysées, avistando o monumental Arco do Triunfo, e dar uma paradinha nos famosos cafés de calçada só para jogar conversa fora e apreciar o movimento. Louvre, a catedral de Notre Dame, a Torre Eiffel e Montmatre são imperdíveis e merecem uma visita.

Lembre-se que a cidade é rica em museus e monumentos e é um verdadeiro desperdício ir a Paris e não aproveitar essa variedade de cultura.